sexta-feira, 16 de junho de 2017

Saúde e juventude

Resultado de imagem para rosasDizem que vivemos um período atípico, onde a busca pela beleza eterna é o que move a maioria das pessoas. Mas se formos olhar na história da humanidade, essa busca sempre existiu. Talvez a eterna juventude tenha sido interpretada apenas pelo lado estético, mas acredito, pelo menos é o que eu busco, é uma juventude interior. É a capacidade intelectual, a saúde em bom estado, o importante.
À medida em que envelhecemos, vamos percebendo as limitações - e isso é muito ruim. Por isso, o quanto antes começarmos a tomar uma nova consciência, mais amena será a velhice.
As rugas, os cabelos brancos, se forem aceitos com alegria e com o reconhecimento de que fazem parte de uma história de vida bem vivida, não incomodam. Mas uma saúde deficitária, uma mente perdida no tempo e no espaço, ah, isso não é bom....
Marguerite Maury, em seu livro "Alquimia dos Aromas para a Juventude", lançado esses dias pela editora Laszlo, já falava sobre isso na metade do século 20.
Tive o prazer de "conviver" com ela no período da tradução desse livro, que originalmente em francês tem o título Le Capital Jeunesse.
É um livro que nos faz pensar e repensar em tantas coisas de nossa vida!
Eu trouxe hoje, um pequeno trecho, que fala sobre a Sálvia. Esse trecho está inserido no capítulo "Dietética". Para quem ainda não encomendou o seu, vai um "tira-gosto"....

Sálvia por Marguerite Maury (Alquimia dos aromas para a Juventude, editora Laszlo, pg. 144):
"Resultado de imagem para salviaEssa é uma planta antiputrefativa e antiescorbútica. Ela funciona sobre o fígado e os rins e, por conseguinte, sobre todos os órgãos de evacuação. Ela previne a cárie dentária.
Por isso é fácil ver o que a sálvia pode trazer para um prato. Adicionada aos pratos de carne no momento apropriado, isto é, durante a cozedura, evita a putrefação dela e combate o terrível veneno cadaverina. Em tudo o que fazemos e em qualquer método que usamos, a cadaverina está presente em qualquer prato de carne. Nosso corpo e, em particular, o nosso fígado, produz constantemente antitoxinas para garantir que não estamos realmente envenenados. Mas é bem possível aliviar o corpo e libertá-lo de seu trabalho cansativo. Nós só temos que pensar quando estamos preparando um prato como podemos modifica-lo para que ele perca a sua nocividade. Por exemplo, se adicionarmos a sálvia a um prato de tomates provençais, o seu valor nutritivo será reforçado: os ácidos que se desenvolvem durante o cozimento serão então dissolvidos.
Vale mencionar que era habitual durante a idade média, dar-se a homens velhos e cansados, infusões de vinho com canela e sálvia: isso aparentemente restaurava um pouco da sua juventude. A operação na realidade era bem simples: a infusão tinha uma ação direta nos rins e nos canais urinários, que normalmente são deficitários em homens velhos."

Bom feriado!!!